sexta-feira, 26 de agosto de 2011

INVEJA É UM DESEJO VIOLENTO DE POSSUIR O BEM ALHEIO.

Inveja é o pesar pelo bem ou pela felicidade do outro. É um desejo violento de possuir o bem alheio. "Parece inadmissível o despertar de um sentimento considerado tão deplorável no ambiente corporativo. Mas, quando ele aparece, surge com uma sutileza inigualável, em comportamentos até considerados inadequados, mas muitas vezes fomentados pelas próprias lideranças", explica a diretora de educação corporativa da Leme Consultoria, Marcia Vespa.
Não se trata de um sentimento raro na vida profissional. Inclusive, há lugares propícios a ele. "Quando a confiança e a credibilidade entre líderes e liderados não estão instauradas; quando o discurso não condiz com a prática; quando não há alinhamento entre objetivos pessoais e organizacionais; quando as metas não são claras; e o potencial humano não é despertado, reconhecido e recompensado, o ambiente está fértil para o nascimento da inveja", avisa ela.
Inveja positiva
Porém, a inveja não é de todo negativa. "Se pensarmos na inveja como o desejo de possuir o bem alheio, entendendo esse bem como conhecimento, crescimento e evolução, o que até então era visto como pejorativo, pode se transformar em inveja positiva. Se é que podemos chamar de inveja", diz Marcia.

Para ela, querer ser ou ter algo que alguém próximo possui pode denotar inveja, somente se a conquista implicar necessariamente perdas para o outro. "Agora, que bom termos modelos que orientam os nossos sonhos de crescimento. Eu quero ser você amanhã porque o admiro. Isso é extremamente saudável. Mas, se o seu querer implicar no outro deixar de ter, aí você pode se denominar invejoso".

Para a consultora do IDORT/SP, Aparecida Bucater, primeiramente, é preciso entender que é natural admirarmos o sucesso e as realizações do outro. "E aceitar que é da natureza humana a necessidade de sentir-se reconhecido, valorizado, de querer fazer melhor. Podemos chamar certo grau de inveja de 'inveja do bem', que funciona como um impulso para as realizações, para a transformação".

Nenhum comentário:

Postar um comentário